Ilustração do Gomez
Ilustração do Gomez

Uma das fantasias cultivadas pelo ser humano ao longo de séculos é a possibilidade de viajar no tempo. O tema serviu de inspiração para diversos livros e filmes tais como a “Máquina do tempo”, escrito por H. G. Wells no final do século XIX, e a série “Star Wars”, de George Lucas, cujo primeiro filme foi lançado em 1977.

Outro desejo muito forte é de tentar projetar o futuro. Nesse terreno temos, entre outros, os clássicos “Fahrenheit 451” (1966) baseado na obra de Ray Bradbury e dirigido por François Truffaut, “Laranja Mecânica” (1971) baseado no livro de Anthony Burgess e dirigido por Stanley Kubrick, “Blade Runner” (1982) e Brazil (1985), ambos dirigidos por Ridley Scott.

Todo final de ano proliferam na mídia e nas redes sociais as profecias sobre o que acontecerá em 2022. Qual filme será ganhador do Oscar? Quem será o time campeão brasileiro de futebol? Qual celebridade irá se casar ou se separar? Tudo muito divertido e sem contraindicações.

Já tentar prever o que acontecerá no terreno da política e da economia é um exercício pra lá de arriscado. Basta olharmos as apostas feitas no final de 2020 por analistas reconhecidamente capazes e que não se confirmaram, tais como a quase certeza de que o Congresso aprovaria o impeachment do presidente.

Outra previsão furada foi o tal crescimento em V prometido por Paulo Guedes, ministro que se notabilizou por vender um futuro imaginário e nunca confirmado. Aliás, ele e sua equipe previram uma inflação anual de 3,2%, mas fechamos o ano com mais de 10%.

Tivemos também a previsão irresponsável do governo federal que a pandemia estava terminando e não atravessaria 2021, mas já ultrapassamos o trágico número de 600 mil mortes.

É conhecida a expressão de que no Brasil, quando se trata de apontar as tendências políticas, 24 horas é longo prazo, mas vou me arriscar a dar alguns palpites para 2022.

Começo pela badaladíssima aliança entre Lula e Alckmin. Aqui, mais uma vez, o ex-presidente tem demonstrado todo seu talento para criar situações favoráveis sem precisar assumir qualquer compromisso para além do discurso de campanha. Minha aposta é que essa chapa não se concretizará, tendo como principal consequência o esvaziamento eleitoral e político da figura do ex-governador que deverá ficar sem espaço para se candidatar a qualquer cargo.

Indo para o outro polo, teremos Bolsonaro fazendo de tudo e mais um pouco para fortalecer sua candidatura a partir da consolidação do Auxílio Brasil, das alianças com os partidos do Centrão, além de se apoiar na radicalização do sentimento antipetista como caminho para ser reeleito. Ao contrário do que muita gente acredita, ele estará no jogo, não podendo se desprezar sua competitividade.

Saindo dos dois polos que, estrategicamente, se retroalimentam, temos uma plêiade de candidaturas da chamada terceira via. Por ali, até o momento, são muitos nomes com poucos votos.

Vejamos o caso de Ciro Gomes. Sua tentativa de se posicionar como uma alternativa antibolsonarista e não-petista foi por água abaixo quando o ex-presidente voltou para a disputa. Em que pese as juras do presidente nacional de seu partido que a candidatura irá até o final, tudo indica que ficará pelo caminho e seu nome não estará na urna.

O ex-juiz Sérgio Moro tem um grande desafio pela frente. Depois de entrar no jogo ocupando a terceira posição em todas as pesquisas, viu frustrada a expectativa de seus apoiadores por um crescimento exponencial que não se confirmou. Apesar das iniciativas para atrair apoios e de ter um potencial de votos significativo, sua pré-campanha vem sendo marcada por alguns erros graves típicos da inexperiência política e eleitoral. Dessa forma, se não der um “cavalo de pau” na sua estratégia, ficará estagnado e sem chances reais no processo.

O governador Dória vive um dilema. Mesmo tendo um governo marcado por muitas realizações, com destaque para a inciativa de trazer a primeira vacina contra a Covid, enfrenta taxas de rejeição elevadas, inclusive em São Paulo. É claro que não se pode desprezar sua capacidade para reverter cenários desfavoráveis como já demonstrada em eleições anteriores, mas creio que dessa feita não acontecerá.

Há ainda nomes como Rodrigo Pacheco, Simone Tebet e Alessandro Vieira que terão dificuldade para sensibilizar o eleitorado. Por fim, meu último palpite que, reconheço, traz junto um componente de torcida: entre maio e junho veremos a consolidação da aliança em torno de uma única candidatura capaz de furar o bloqueio da polarização atual.

Feliz 2022!

Orlando Thomé Cordeiro é consultor em estratégia

Coluna publicada no jornal Correio Braziliense edição de 31/12/2021 https://www.correiobraziliense.com.br/

Leia também https://focanaestrategia.com/como-sera-o-amanha/

Você pode gostar

LULA PODE ABRIR MÃO DE CANDIDATURA

Hoje o Brasil foi sacudido por uma notícia bombástica: Lula admitiu abrir…

Qual o futuro político do centro?

Acabei de ler o livro Os Engenheiros do Caos, de Giuliano Da…

O cavalo do lorde Jim

Lorde Jim, londrino que gostava de realizar pesquisas práticas, resolveu fazer a…

JACARÉ COM COBRA D´ÁGUA

Eleição a governador do RJ Os atores que estão buscando se viabilizar…