A Turquia tornou-se uma República democrática, laica, parlamentarista e multipartidária em 1923 sob a liderança histórica de Atatürk. Durante 15 anos, como primeiro ministro promoveu uma série de reformas no país para mudar as estruturas políticas, legais, religiosas, culturais, sociais e econômicas da Turquia Otomana, transformando-a em um estado secular.

Esse cenário começa a mudar com a eleição de Recep Tayyip Erdogan como primeiro ministro da Turquia em 2003. Desde então tivemos um conjunto de fatos em sequência: agosto de 2014 – é eleito presidente pelo voto direto; julho de 2016 – uma tentativa de golpe é reprimida de forma violenta e levando à decretação de estado de emergência, com mais de 50 mil presos, entre os quais mais de 150 jornalistas; abril de 2017 – um referendo aprova a mudança da Constituição, introduzindo o regime presidencialista e conferindo ao presidente poderes para intervir no Judiciário e impor estado de emergência; junho de 2018 – Erdogan é reeleito presidente e ainda poderá concorrer novamente em 2023.

Pegando o voo de Istambul para Brasília, em 2018 tivemos a eleição de Bolsonaro. Entre os diversos acontecimentos que se seguiram à posse em 1º de janeiro de 2019, é interessante destacar os seguintes: 8/outubro/2019 começa uma paralisação parcial da PM da Bahia; 18/fevereiro/2020 começa motim dos PM no Ceará que dura 13 dias; 28/março/2021 um PM em Salvador/BA começa a fazer disparos para o alto e acaba morto pela equipe do BOPE; 30/março/2021 os comandantes das FFA, após resistirem à demissão do então Ministro da Defesa, são exonerados pelo presidente, que, em contrapartida, é obrigado a acatar a nomeação de um desafeto como novo comandante do Exército; 23/maio/2021 o presidente promove uma manifestação no RJ e leva ao palanque o ex-ministro Pazuello, general da ativa, provocando tensão junto ao alto comando das FFAA; 27/maio/2021 o presidente pede pessoalmente ao comandante do Exército para descumprir o regulamento militar e não punir Pazuello; 29/maio/2021 em Recife, numa manifestação pacífica contra o presidente, uma equipe do BOPE, à revelia do Governador, reprimiu de forma violenta, disparando a esmo balas de borracha e provocando a perda de visão de duas pessoas que não participavam do ato; 31/maio/2021 um PM de Goiás prendeu e algemou um professor por se recusar a retirar do capô do carro uma faixa contra o presidente.

Em todas as situações descritas acima o presidente declarou seu apoio aos movimentos sabidamente ilegais. E, não satisfeito, na última quarta-feira o governo divulgou que o Ministério da Justiça pretende fazer uma pesquisa nacional sobre a qualidade de vida de todos os policiais militares e policiais civis dos 26 estados e do DF, por meio de um questionário sobre as condições salariais e de moradia, entre outros pontos.

Diante de todos esses fatos, as perguntas mais relevantes a serem feitas são: o que o presidente pretende com esses movimentos; qual seu principal objetivo? Vejo na mídia e nas redes muita gente preocupada com a possibilidade dele promover um autogolpe com apoio militar. Respeito essa avaliação, mas não me parece que seja o caminho adotado e já em curso.

Bolsonaro tem um histórico marcado por sucessivas vitórias eleitorais em seus 28 anos de vida parlamentar. Durante esse tempo fez questão de viabilizar a eleição de familiares, notadamente seus três filhos. Ou seja, sempre soube utilizar os instrumentos da democracia em benefício próprio.

É pública e notória a ligação política que a família construiu com policiais civis e militares no estado do Rio de Janeiro, boa parte deles vinculada a grupos milicianos. Deve ser acrescida, no caso do presidente, sua atuação em defesa de bandeiras corporativas de militares das FFAA, notadamente praças, soldados e a baixa oficialidade.

Para resolver as restrições do alto oficialato a seu nome, nomeou mais de 6 mil militares da ativa e da reserva em cargos civis no governo. De forma otimista ou ingênua, muitos de nós considerávamos no início de seu governo que a presença de determinados generais ao seu lado seria uma garantia de contenção para seus conhecidos arroubos. Ledo engano! Está claro que foram completamente cooptados, seja pelo novo status, seja pelas benesses pecuniárias.

Parece cada vez mais claro que Bolsonaro resolveu ir a Istambul fazer um cursinho com Erdogan e, no voo de volta, fazer escalas de aconselhamento em Moscou e Nova Delhi. Esse é o verdadeiro risco para a democracia brasileira que precisa ser evitado.

Artigo publicado no jornal Correio Braziliense em 07-06/2021 https://www.correiobraziliense.com.br/opiniao/2021/06/4929446-ponte-aerea-istambul-brasilia.html

Veja também https://focanaestrategia.com/uma-analise-sobre-as-manifestacoes-contra-jair-bolsonaro/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Você pode gostar

Qual o futuro político do centro?

Acabei de ler o livro Os Engenheiros do Caos, de Giuliano Da…

O cavalo do lorde Jim

Lorde Jim, londrino que gostava de realizar pesquisas práticas, resolveu fazer a…

Empatia, compaixão e invisibilidade

Empatia — capacidade de a gente se colocar no lugar de outra…

CABEÇA DE JUDEU

No livro “O segredo judaico de resolução de problemas” o rabino Nilton Bonder…